segunda-feira, 24 de outubro de 2016

O FILME “O COMEÇO DA VIDA” FOI MAIS UMA AÇÃO INOVADORA NA IV SEMANA DO BEBÊ NESTE PENÚLTIMO DIA.


Dando continuidade às atividades da IV SEMANA DO BEBÊ, no dia (11), no Clube Municipal de Guamaré das 15hs as 17hs foi exibido o filme; “O COMEÇO DA VIDA” O Começo da Vida é um documentário que mostra a importância dos primeiros anos da vida de uma criança.



Dirigido por Estela Renner (Criança, a Alma do Negócio, Muito Além do Peso) e produzido pela Maria Farinha Filmes (Muito Além do Peso, Tarja Branca, Território do Brincar), o documentário foi filmado em nove países. Estela entrevista especialista no desenvolvimento infantil e visita famílias das mais diversas culturas, etnias e classes 


sociais, para descobrir que proporcionar um ambiente com amor e segurança para as crianças nessa fase é o maior investimento que se pode fazer na humanidade. Legendado em 21 línguas: Inglês, Português, Espanhol, Francês, Alemão, Italiano, Árabe, Dinamarquês, Finlandês, Norueguês, Sueco, Holandês, Português (Europeu), 



Espanhol (Castelhano), Japonês, Chinês (tradicional e simplificado), Coreano, Russo, Turco e Indonésio. O referido filme teve como público alvo os funcionários da SEMAS, Secretaria de Educação, Secretaria de Saúde, demais Secretarias envolvidas, Conselho de Direito e alunos do CEFOPE.  A atividade tem como objetivo refletir sobre os cuidados nos primeiros anos de vida e entendermos que investir no presente é capaz de definir e mudar o futuro da humanidade.



Na ocasião houve distribuição de pipocas e água aos presentes. Após a exibição, foi aberto uma Roda de Conversa para discutirmos sobre o filme, onde na oportunidade, a Assistente Social Neide Pereira, Secretária Executiva da Casa dos Conselhos lançou duas perguntas: O QUE FOI MAIS MARCANTE NO FILME E O QUE PODEMOS FAZER PARA MELHORAR O COMEÇO DA VIDA JÁ? Diante das falas, podemos perceber que o filme 


tocou muito no emocional de cada participante, mostrando o quanto a criança é importante como pessoa, como sujeito de direito, que elas carências afetivas; necessitando de carinho, cuidados, atenção e amor. Alguns participantes também falaram que o que mais chamou a 



atenção foi ouvir de uma criança que ela não tinha sonhos¨, sendo esta a frase mais forte durante o documentário. Neide Pereira relatou uma frase que lhe chamou atenção que diz; QUEM CRIA NOSSAS CRIANÇAS NÃO SÃO OS PROGRAMAS E AS INSTITUIÇÕES, SÃO PESSOAS.


Por fim, tivemos a fala da Secretária de Assistência Social, Marisa Rodrigues, que na oportunidade agradeceu a todos que compareceu a essa atividade e finalizou com uma reflexão sobre as imagens e roteiros no filme retratando as crianças nos territórios e 



ambientes precários: “Ninguém é pobre porque quer, ninguém é pobre porque Deus quer, como traduzem algumas pessoas, a pobreza parte dos homens que negam os direitos, quando geram as desigualdades sociais, quando negam as políticas públicas, precisamos contribuir para que nossas crianças tenham um grande futuro, nos nossos espaços. Nos nossos fazeres profissionais”


Nenhum comentário:

Postar um comentário